Vida de Gato: comportamento felino

Os gatos são uma mistura astuta e graciosa de um forte sentido de independência com uma elevada sensibilidade e capacidade de definir limites. São verdadeiros mestres na imposição até onde os animais humanos e não humanos podem ir no contacto com eles. Cada vez mais noto como esta espécie levanta dúvidas e apresenta desafios pela sua forma de Ser e Estar tão sui generis. Assim inicío esta rúbrica para tentar ajudar a compreender o comportamento felino e assim melhorar a relação com estes companheiros patudos. Espero que vos seja útil!

  • Uma das situações mais frequentes comunicadas é o facto de o gato mudar repentinamente de comportamento. Ou seja, tanto está muito afável e receptivo como num instante se afasta ou até morde. Normalmente o gato já havia expressado através da linguagem corporal que tínhamos chegado ao seu limite de contacto. Quando começam a sentir-se aborrecidos com as carícias e com necessidade de espaço podem começar a mover o rabo de forma mais insistente e colocam as orelhas para trás. Neste momento é importante
    respeitar e deixá-los cumprir a sua vontade, deixando-os afastarem-se se assim desejarem. Cada gato pode ter necessidades e tolerância face ao contacto diferente. O ideal será esperar e deixar que ele assuma como prefere ser tocado e em que condições. É importante ter em atenção se o animal se torna intolerante quando tocamos em determinado parte do corpo, porque pode indicar alguma zona de dor que precisa de ser observada.
  • 2 factores essenciais precisam de ser tomados em conta: a influência genética na personalidade que poderá levar a que o gato seja mais ou menos tímido, receoso perante novos estímulos e como foi desenvolvida a fase de socialização, a qual ocorre entre as 2 e 9 semanas. Neste período ocorre um desenvolvimento rápido e importa expor o gato de forma segura, gradual e o mais tranquilamente possível a diversos estímulos, por exemplo: adultos, crianças e bebés com variadas características físicas, animais, objectos vários e situações. A variedade é muito relevante, sendo que a exposição pode ser feita em várias sessões de curta duração.  É muito importante evitar brincadeiras brutas e experiências negativas nesta fase. Apesar da janela de socialização ser muito relevante na determinação do perfil do gato as fases posteriores e experiências futuras influenciam também a formação da personalidade. Na fase da socialização alguns florais poderão ajudar a aumentar a tolerância face vários estímulos tal como a responder com mais calma e menos medo. Com as terapias que tenho desenvolvido noto que existem muitas questões de comportamento felino relacionadas com medo, timidez, intolerância ao contacto, ansiedade e stress que podem sim ser melhoradas.
  • Uma forma de transmitir confiança e calma perante um gato mais tímido e medroso é mantermo-nos numa altura menos intimidante, como sentados no chão ou numa cadeira mais baixa deixando que seja o patudo a querer aproximar-se, sem pressionar. Caso ele se aproxime podemos recompensar a aproximação com biscoito atirado na sua direcção ao para o lado dele, mas não para cima de forma a não se assustar. Importa deixar que nos observe, que se aproxime e explore e de seguida reforçar esse comportamento com elogio num tom suave e ligeiramente agudo, brincadeira ou com comida. Sempre com calma e sem movimentos bruscos. Importa ter paciência para que possam ser observados avanços e se possível recorrer a terapia floral, pois poderá ser bastante benéfica para conseguirmos aumentar a confiança e tolerância face ao contexto.
  •  Outra forma de pode transmitir calma é manter o olhar mais fechado, evitando olhar fixamente e pestanejar lentamente, desviando o olhar de forma intermitente;
  • Devemos evitar sempre habituar os gatos a brincar com as nossas mãos, pés ou roupa, usando apenas brinquedos apropriados para não criarem o hábito de morder para chamar a atenção ou brincar;
  • Tendo como base a teoria do Condicionamento Operante, qualquer comportamento desejado deve ser recompensado. A consistência é muito importante tal como o timing  na aplicação do reforço positivo (comida, elogio, brincadeira,etc). É importante ignorar comportamentos indesejados ou redireccionar para um alvo adequado, como um brinquedo.

Espero em breve abordar mais questões sobre o comportamento felino, se quiserem partilhar dúvidas e/ou sugestões sobre temas a abordar em relação ao tema partilhem pf nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *